A Igreja - John Wesley


Quanto ouvimos quase continuamente sobre a Igreja! Para muitos é assunto de conversa diária. E, no entanto, quão poucos entendem o que falam! Quão poucos sabem o que o termo significa! Uma palavra mais ambígua do que esta, Igreja, raramente é encontrada na língua inglesa. Às vezes é considerado um edifício reservado para o culto público: às vezes uma congregação, ou grupo de pessoas, unidas no serviço de Deus. É apenas neste último sentido que é tomado no discurso que se segue.

"Por isso eu, o prisioneiro no Senhor, peço que vocês vivam de maneira digna da vocação a que foram chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando uns aos outros em amor, fazendo tudo para preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz. Há somente um corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança para a qual vocês foram chamados. Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos. (Efésios 4:1-6)"

Pode ser considerado indiferentemente para qualquer número de pessoas, por menor ou maior que seja. Como, “onde dois ou três estão reunidos em seu nome”, aí está Cristo; então, (para falar como São Cipriano), “onde dois ou três crentes estão reunidos, há uma Igreja”. É assim que São Paulo, escrevendo a Filemom, menciona “a Igreja que está em sua casa”; significando claramente que mesmo uma família cristã pode ser chamada de Igreja.

Vários daqueles a quem Deus chamou para fora do mundo (assim a palavra original significa apropriadamente), unindo-se em uma congregação, formaram uma Igreja maior; como a Igreja em Jerusalém; isto é, todos aqueles em Jerusalém a quem Deus assim chamou. Mas considerando a rapidez com que estes se multiplicaram, depois do dia de Pentecostes, não se pode supor que pudessem continuar a reunir-se num só lugar; especialmente porque eles não tinham nenhum lugar grande, nem teriam permissão para construir um. Consequentemente, eles devem ter se dividido, mesmo em Jerusalém, em diversas congregações distintas. Da mesma forma, quando São Paulo, vários anos depois, escreveu à Igreja em Roma (dirigindo sua carta: “A todos os que estão em Roma, chamados para serem santos”), não se pode supor que eles tivessem qualquer edifício capaz de conter todos eles; mas foram divididos em diversas congregações, reunindo-se em diversas partes da cidade.

A primeira vez que o Apóstolo usa a palavra Igreja é no prefácio da epístola aos Coríntios: “Paulo chamado para ser apóstolo de Jesus Cristo, na Igreja de Deus que está em Corinto”. O significado dessa expressão é fixado pelas seguintes palavras: “Aos que são santificados em Cristo Jesus; com tudo isso, em todos os lugares” (não apenas em Corinto; portanto, era uma espécie de carta circular) “invocam o nome de Jesus Cristo, nosso Senhor, tanto deles como nosso”. Na inscrição da sua segunda carta aos Coríntios, ele fala ainda mais explicitamente: “À Igreja de Deus que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia”. Aqui ele inclui claramente todas as igrejas, ou congregações cristãs, que existiam em toda a província.

Ele frequentemente usa a palavra no plural. Então, Gl. 1:2 , “Paulo, apóstolo – às igrejas da Galácia;” isto é, as congregações cristãs dispersas por todo aquele país. Em todos esses lugares (e muitos mais poderiam ser citados), a palavra Igreja ou Igrejas significa, não os edifícios onde os cristãos se reuniam (como acontece frequentemente na língua inglesa), mas as pessoas que costumavam se reunir ali, um ou mais congregações cristãs. Mas às vezes a palavra Igreja é tomada nas Escrituras num significado ainda mais amplo, incluindo todas as congregações cristãs que estão na face da terra. E é neste sentido que o entendemos na nossa Liturgia, quando dizemos: “Rezemos por todo o estado militante da Igreja de Cristo aqui na terra”. Neste sentido é inquestionavelmente assumido por São Paulo, na sua exortação aos anciãos de Éfeso: (At. 20,28) “Guardai a Igreja de Deus, que ele comprou com o seu próprio sangue”. A Igreja aqui, sem dúvida, significa a Igreja católica ou universal; isto é, todos os cristãos debaixo do céu.

Quem são aqueles que são propriamente “a Igreja de Deus”, o Apóstolo mostra amplamente, e isso da maneira mais clara e decisiva, na passagem acima citada; onde ele também instrui todos os membros da Igreja sobre como “andar dignos da vocação para a qual foram chamados”.

Consideremos, primeiro, quem é propriamente a Igreja de Deus? Qual é o verdadeiro significado desse termo? “A Igreja em Éfeso”, como o próprio Apóstolo explica, significa “os santos”, as pessoas santas, “que estão em Éfeso”, e ali se reúnem para adorar a Deus Pai e a seu Filho Jesus Cristo; se eles fizeram isso em um ou (como provavelmente podemos supor) em vários lugares. Mas é a Igreja em geral, a Igreja católica ou universal, que o Apóstolo aqui considera como um só corpo: compreendendo não apenas os cristãos da casa de Filemom, ou qualquer família; não apenas os cristãos de uma congregação, de uma cidade, de uma província ou nação; mas todas as pessoas na face da terra que respondem ao caráter aqui dado. Os vários detalhes nele contidos, podemos agora considerar mais distintamente.

“Há um Espírito” que anima todos estes, todos os membros vivos da Igreja de Deus. Alguns entendem aqui o próprio Espírito Santo, a Fonte de toda vida espiritual; e é certo: “se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele”. Outros entendem isso como dons espirituais e disposições sagradas que são mencionados posteriormente.

“Há”, em todos aqueles que receberam este Espírito, “uma esperança”; uma esperança cheia de imortalidade. Eles sabem que morrer não é estar perdido: a sua perspectiva estende-se para além do túmulo. Eles podem dizer com alegria: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua abundante misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, e imaculado e que não desaparece.”

“Há um Senhor”, que agora tem domínio sobre eles, que estabeleceu o seu reino em seus corações e reina sobre todos aqueles que são participantes desta esperança. Obedecê-lo, seguir o caminho de seus mandamentos, é sua glória e alegria. E enquanto fazem isso com uma mente voluntária, eles, por assim dizer, “assentam-se nos lugares celestiais com Cristo Jesus”.

“Existe uma fé;” que é o dom gratuito de Deus e é a base de sua esperança. Esta não é apenas a fé de um pagão; Ou seja, uma crença de que “existe um Deus” e que ele é gracioso e justo e, consequentemente, “um recompensador daqueles que o buscam diligentemente”. Nem é apenas a fé de um demônio; embora isso vá muito mais longe do que o anterior. Pois o diabo acredita, e não pode deixar de acreditar, que tudo o que está escrito no Antigo e no Novo Testamento é verdade. Mas é a fé de São Tomé, ensinando-o a dizer com santa ousadia: “Meu Senhor e meu Deus!” É a fé que permite a todo verdadeiro crente cristão testemunhar com São Paulo: “A vida que agora vivo, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”.

“Há um batismo;” que é o sinal externo que nosso único Senhor teve o prazer de apontar, de toda aquela graça interior e espiritual que ele continuamente concede à sua Igreja. É também um meio precioso pelo qual esta fé e esperança são dadas àqueles que o procuram diligentemente. Alguns, de fato, inclinaram-se a interpretar isto num sentido figurado; como se se referisse ao batismo do Espírito Santo que os apóstolos receberam no dia de Pentecostes, e que, em grau inferior, é dado a todos os crentes: Mas é uma regra declarada na interpretação das Escrituras, nunca se afastar do sentido simples e literal, a menos que implique um absurdo. E além disso, se o entendêssemos assim, seria uma repetição desnecessária, como sendo incluída em “Há um Espírito”.

“Há um só Deus e Pai de todos” que têm o Espírito de adoção, que “clama em seus corações: Aba, Pai”; que “testemunha” continuamente “com seu espírito”, que eles são filhos de Deus: “Quem está acima de tudo,” - o Altíssimo, o Criador, o Sustentador, o Governador de todo o universo: “E através de todos,” — permeando todo o espaço; enchendo o céu e a terra.

Aqui está, então, uma resposta clara e irrepreensível à pergunta: “O que é a Igreja?” A Igreja católica ou universal são todas as pessoas no universo que Deus chamou para fora do mundo a ponto de lhes conferir o caráter anterior; quanto a ser “um só corpo”, unido por “um só espírito”; tendo “uma só fé, uma só esperança, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, que está acima de todos, através de todos e em todos eles”.

Aquela parte deste grande corpo, da Igreja universal, que habita qualquer reino ou nação, podemos chamar apropriadamente de Igreja Nacional; como, a Igreja da França, a Igreja da Inglaterra, a Igreja da Escócia. Uma parte menor da Igreja universal são os cristãos que habitam uma cidade ou vila; como a Igreja de Éfeso e o resto das sete igrejas mencionadas no Apocalipse. Dois ou três crentes cristãos unidos constituem uma Igreja no sentido mais estrito da palavra. Tal era a Igreja na casa de Filemom, e a da casa de Ninfas, mencionada em Colossenses 4:15. Uma Igreja particular pode, portanto, consistir de qualquer número de membros, sejam dois ou três, ou dois ou três milhões. Mas ainda assim, sejam eles maiores ou menores, a mesma ideia deve ser preservada. Eles são um só corpo e têm um só Espírito, um só Senhor, uma só esperança, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos.

Este relato está exatamente de acordo com o décimo nono Artigo de nossa Igreja, a Igreja da Inglaterra: 

"DA IGREJA. “A Igreja visível de Cristo é uma congregação de homens fiéis, na qual a pura palavra de Deus é pregada e os sacramentos são devidamente administrados.”

Pode-se observar que, ao mesmo tempo em que nossos trinta e nove artigos foram compilados e publicados, uma tradução latina deles foi publicada pela mesma autoridade. Nisto as palavras eram coetus credentium; “uma congregação de crentes”; mostrando claramente que por homens fiéis, os compiladores queriam dizer, homens dotados de fé viva . Isso traz o Artigo a uma concordância ainda mais próxima do relato feito pelo Apóstolo.

Mas pode-se duvidar se o Artigo fala de uma Igreja particular ou da Igreja universal. O título, “Da Igreja”, parece referir-se à Igreja católica; mas a segunda cláusula do artigo menciona as Igrejas particulares de Jerusalém, Antioquia, Alexandria e Roma. Talvez a intenção fosse incluir ambos; definir assim a Igreja universal de modo a ter em vista as diversas Igrejas particulares que a compõem.

Considerando estas coisas, é fácil responder à pergunta: “O que é a Igreja da Inglaterra?” É aquela parte, esses membros, da Igreja Universal que são habitantes da Inglaterra. A Igreja da Inglaterra é aquele corpo de homens e mulheres na Inglaterra, em quem “há um Espírito, uma esperança, um Senhor, uma fé”; que têm “um só batismo” e “um só Deus e Pai de todos”. Esta e somente esta é a Igreja da Inglaterra, de acordo com a doutrina do Apóstolo.

Mas a definição de Igreja, estabelecida no Artigo, inclui não apenas isto, mas muito mais, através daquele notável acréscimo: “Na qual a pura palavra de Deus é pregada e os sacramentos são devidamente administrados”. Segundo esta definição, aquelas congregações nas quais a pura Palavra de Deus (uma expressão forte) não é pregada não fazem parte nem da Igreja da Inglaterra, nem da Igreja Católica; assim como aqueles em que os sacramentos não são devidamente administrados.

Não me comprometerei a defender a exatidão desta definição. Não me atrevo a excluir da Igreja Católica todas aquelas congregações nas quais quaisquer doutrinas antibíblicas, que não podem ser afirmadas como “a pura palavra de Deus”, são às vezes, sim, frequentemente pregadas; nem todas aquelas congregações nas quais os sacramentos não são “devidamente administrados”. Certamente, se estas coisas são assim, a Igreja de Roma não é tanto uma parte da Igreja Católica; visto que nele não é pregada “a pura palavra de Deus”, nem os sacramentos “devidamente administrados”. Quem quer que sejam aqueles que têm “um Espírito, uma esperança, um Senhor, uma fé, um Deus e Pai de todos”, posso facilmente suportar que tenham opiniões erradas, sim, e modos supersticiosos de adoração: nem eu, nestas contas, ainda tenho escrúpulos em incluí-los no âmbito da Igreja Católica; nem teria qualquer objeção em recebê-los, se assim o desejassem, como membros da Igreja da Inglaterra.

Passamos agora ao segundo ponto. O que é “caminhar digno da vocação com a qual somos chamados?”

Deve-se sempre lembrar que a palavra caminhar, na linguagem do Apóstolo, tem um significado muito extenso. Inclui todos os nossos movimentos internos e externos; todos os nossos pensamentos, palavras e ações. Abrange não apenas tudo o que fazemos, mas tudo o que falamos ou pensamos. Não é, portanto, pouca coisa “caminhar”, neste sentido da palavra, “digno da vocação com que somos chamados”; pensar, falar e agir, em todos os casos, de maneira digna de nosso chamado cristão.

Somos chamados a andar, primeiro, “com toda humildade”: para ter em nós aquela mente que também esteve em Cristo Jesus; não nos considerarmos mais elevados do que deveríamos; ser pequeno, pobre, mesquinho e vil aos nossos próprios olhos; conhecer-nos como também somos conhecidos por Aquele a quem todos os corações estão abertos; ser profundamente sensível à nossa própria indignidade, à depravação universal da nossa natureza (na qual não habita nada de bom) – propenso a todo o mal, avesso a todo o bem; de modo que não estamos apenas doentes, mas mortos em ofensas e pecados, até que Deus sopre sobre os ossos secos e crie vida pelo fruto de seus lábios. E suponha que isso seja feito – suponha que ele agora nos vivificou, infundindo vida em nossas almas mortas; contudo, quanto resta da mente carnal! Quão propenso está o nosso coração ainda a se afastar do Deus vivo! Que tendência para pecar permanece em nosso coração, embora saibamos que nossos pecados passados ​​estão perdoados! E quanto pecado, apesar de todos os nossos esforços, se apega tanto às nossas palavras como às nossas ações! Quem pode ser devidamente sensato quanto resta nele de sua inimizade natural para com Deus, ou até que ponto ele ainda está alienado de Deus pela ignorância que há nele?

Sim, suponha que Deus agora tenha purificado completamente nosso coração e espalhado os últimos restos de pecado; contudo, como podemos ser suficientemente sensíveis ao nosso próprio desamparo, à nossa total incapacidade para todo o bem, a menos que estejamos a cada hora, sim, a cada momento, dotados de poder do alto? Quem é capaz de ter um bom pensamento ou formar um bom desejo, a não ser por aquele poder Todo-Poderoso que opera em nós tanto o querer como o efetuar, de acordo com sua boa vontade? Temos necessidade, mesmo neste estado de graça, de ser completa e continuamente penetrados por esse sentido. Caso contrário, estaremos em perigo perpétuo de roubar a honra de Deus, gloriando-nos em algo que recebemos, como se não o tivéssemos recebido.

Quando o mais íntimo da nossa alma está completamente tingido com isso, resta que “sejamos revestidos de humildade”. A palavra usada por São Pedro parece implicar que seremos cobertos por ela como por um sobretudo; que sejamos todos humildade, tanto por dentro como por fora; tingindo tudo o que pensamos, falamos e fazemos. Que todas as nossas ações brotem desta fonte; deixe todas as nossas palavras respirarem esse espírito; para que todos os homens saibam que estivemos com Jesus e aprendemos dele a ser humildes de coração.

E sendo ensinados por Aquele que era manso e humilde de coração, seremos então capacitados a “andar com toda mansidão”; sendo ensinado por Aquele que ensina como nunca o homem ensinou, a ser manso e humilde de coração. Isto implica não apenas um poder sobre a raiva, mas sobre todas as paixões violentas e turbulentas. Implica ter todas as nossas paixões na devida proporção; nenhum deles é muito forte ou muito fraco; mas todos devidamente equilibrados entre si; todos subordinados à razão; e razão dirigida pelo Espírito de Deus. Deixem que esta equanimidade governe toda a sua alma; para que todos os seus pensamentos possam fluir em um fluxo uniforme, e o teor uniforme de suas palavras e ações seja adequado a isso. Nesta “paciência” vocês então “possuirão suas almas”; que não são nossos enquanto somos sacudidos por paixões indisciplinadas. E por isso todos os homens podem saber que somos de fato seguidores do manso e humilde Jesus.

Ande com toda “longanimidade”. Isto está quase relacionado à mansidão, mas implica algo mais. Continua a vitória já conquistada sobre todas as suas paixões turbulentas; apesar de todos os poderes das trevas, de todos os ataques de homens maus ou espíritos malignos. É pacientemente triunfante sobre toda oposição e imóvel, embora todas as ondas e tempestades passem sobre você. Embora provocado com frequência, ainda é o mesmo: quieto e inabalável; nunca sendo “vencido do mal”, mas vencendo o mal com o bem.

O “suportar-se uns aos outros em amor” parece significar, não apenas não se ressentir de nada, e não se vingar; não apenas não ferir, ferir ou entristecer um ao outro, seja por palavra ou ação; mas também carregar os fardos uns dos outros; sim, e diminuindo-os por todos os meios ao nosso alcance. Implica simpatizar com eles em suas tristezas, aflições e enfermidades; sustentá-los quando, sem a nossa ajuda, eles estariam sujeitos a afundar sob seus fardos; o esforço para erguer suas cabeças que afundam e fortalecer seus joelhos fracos.

Por último: os verdadeiros membros da Igreja de Cristo “esforçam-se”, com toda a diligência possível, com todos os cuidados e dores, com paciência incansável (e tudo será pouco), para “manter a unidade do Espírito no vínculo de paz;” preservar inviolável o mesmo espírito de humildade e mansidão, de longanimidade, tolerância mútua e amor; e tudo isso cimentado e unido por aquele laço sagrado – a paz de Deus enchendo o coração. Só assim poderemos ser e continuar vivos membros daquela Igreja que é o corpo de Cristo.

Não aparece claramente em todo este relato por que, no antigo Credo, comumente chamado de Credo dos Apóstolos, nós o chamamos de Igreja universal ou católica, - “a santa Igreja Católica?” Quantas razões maravilhosas foram descobertas para lhe dar esta denominação! Um homem erudito nos informa: “A Igreja é chamada santa porque Cristo, seu Cabeça, é santo”. Outro eminente autor afirma: “É assim chamado porque todas as suas ordenanças são destinadas a promover a santidade”; e ainda outro, – “porque nosso Senhor pretendia que todos os membros da Igreja fossem santos”. Não, a razão mais curta e clara que pode ser dada, e a única verdadeira, é: – A Igreja é chamada santa , porque é santa, porque cada membro dela é santo, embora em diferentes graus, como Aquele que os chamou. é santo. Quão claro é isso! Se a Igreja, quanto à sua própria essência, é um corpo de crentes, nenhum homem que não seja um crente cristão pode ser membro dele. Se todo este corpo for animado por um só espírito e dotado de uma só fé e uma só esperança de seu chamado; então aquele que não tem esse espírito, fé e esperança não é membro deste corpo. Segue-se que não apenas nenhum jurado comum, nenhum violador do sábado, nenhum bêbado, nenhum prostituto, nenhum ladrão, nenhum mentiroso, ninguém que viva em qualquer pecado exterior, mas ninguém que esteja sob o poder da raiva ou do orgulho, nenhum amante de o mundo, em uma palavra, ninguém que esteja morto para Deus pode ser membro de sua Igreja.

Pode haver algo mais absurdo do que os homens gritarem: “A Igreja! A Igreja!" e fingir ser muito zelosos por ela, e defensores violentos dela, enquanto eles próprios não têm parte nem parte nisso, nem realmente sabem o que é a Igreja? E ainda assim a mão de Deus está exatamente nisso! Mesmo nisso aparece sua maravilhosa sabedoria, direcionando o erro deles para sua própria glória e fazendo com que “a terra ajude a mulher” [ Apocalipse 12:16 ]. Imaginando que eles próprios são membros dela, os homens do mundo frequentemente defendem a Igreja: caso contrário, os lobos que cercam o pequeno rebanho por todos os lados os despedaçariam em pouco tempo. E por isso mesmo não é sensato provocá-los mais do que o inevitável. Mesmo neste terreno, vamos, se for possível, tanto quanto nos cabe, “viver pacificamente com todos os homens”. Especialmente porque não sabemos quando Deus poderá chamá-los também do reino de Satanás para o reino de seu querido Filho.

Enquanto isso, que todos aqueles que são verdadeiros membros da Igreja vejam que andam santos e irrepreensíveis em todas as coisas. “Vocês são a luz do mundo!” Vocês são “uma cidade construída sobre uma colina” e “não pode ser escondida”. Ó “deixe sua luz brilhar diante dos homens!” Mostre-lhes sua fé por meio de suas obras. Deixe-os ver, por todo o teor da sua conversa, que a sua esperança está toda depositada acima! Deixe que todas as suas palavras e ações evidenciem o espírito pelo qual você está animado! Acima de todas as coisas, deixe seu amor abundar. Deixe-o estender-se a cada filho do homem: deixe-o transbordar para cada filho de Deus. Com isso, todos os homens saibam de quem vocês são discípulos, porque vocês “amam uns aos outros”.


Tradução do original, "Of the Church", sermão nº 72, de John Wesley, em 1872.
Postagem Anterior Próxima Postagem