Como 25 de dezembro se tornou Natal?


Em 25 de dezembro, os cristãos de todo o mundo se reunirão para celebrar o nascimento de Jesus. Canções alegres, liturgias especiais, presentes embrulhados em cores vivas, comidas festivas – tudo isso caracteriza a festa hoje, pelo menos no hemisfério norte. Mas como se originou a comemoração de Natal? Como o 25 de dezembro passou a ser associado ao aniversário de Jesus? São perguntas como essas que tentaremos responder, logo a seguir, através do artigo intitulado “How December 25 Became Christmas”, do estudioso Andrew McGowan, que é um grande pensador e a historiador do cristianismo primitivo, além de reitor e Presidente da Berkeley Divinity School e Professor na Yale Divinity School, em Yale.

A Bíblia oferece poucas pistas: as celebrações do nascimento de Jesus não são mencionadas nos Evangelhos ou nos Atos; a data não é dada, nem mesmo a época do ano. A referência bíblica aos pastores cuidando de seus rebanhos à noite quando ouvem a notícia do nascimento de Jesus (Lucas 2:8) pode sugerir a estação da primavera; no frio mês de dezembro, por outro lado, as ovelhas podem muito bem ter sido encurraladas. No entanto, a maioria dos estudiosos mantém cautela ao extrair um detalhe tão preciso, mas incidental, de uma narrativa cujo foco é teológico e não histórico.

A evidência extra bíblica do primeiro e segundo século é igualmente escassa: não há menção de celebrações de nascimento nos escritos dos primeiros escritores cristãos, como Irineu (c. 130–200) ou Tertuliano (c. 160–225). Orígenes de Alexandria (c. 165–264) chega a zombar das celebrações romanas de festas de aniversários, descartando-as como práticas “pagãs” — uma forte indicação de que o nascimento de Jesus não foi marcado com festividades semelhantes naquele lugar e época. Pelo que sabemos, o Natal não era comemorado nessa época.

Isso contrasta fortemente com as tradições mais antigas que cercam os últimos dias de Jesus. Cada um dos Quatro Evangelhos fornece informações detalhadas sobre a hora da morte de Jesus. De acordo com João, Jesus é crucificado no momento em que os cordeiros da Páscoa estão sendo sacrificados. Isso teria ocorrido no dia 14 do mês hebraico de Nisan, pouco antes do início do feriado judaico ao pôr do sol (considerado o início do 15º dia porque no calendário hebraico os dias começam ao pôr do sol). Em Mateus, Marcos e Lucas, porém, a Última Ceia é realizada após o pôr do sol, no início do dia 15. Jesus é crucificado na manhã seguinte — ainda no dia 15.

A Páscoa, um desenvolvimento muito anterior ao Natal, foi simplesmente a reinterpretação cristã gradual da Páscoa em termos da Paixão de Jesus. Sua observância pode até estar implícita no Novo Testamento (1 Coríntios 5:7-8: “Nosso cordeiro pascal, Cristo, foi sacrificado. Portanto, celebremos a festa…”); certamente era uma festa distintamente cristã em meados do segundo século d.C., quando o texto apócrifo conhecido como a Epístola aos Apóstolos mostra Jesus instruindo seus discípulos a “fazer comemoração de [sua] morte, isto é, a Páscoa”.

O ministério de Jesus, os milagres, a Paixão e a Ressurreição eram frequentemente de maior interesse para os escritores cristãos do primeiro e do início do segundo século d.C. Mas com o tempo, as origens de Jesus se tornariam uma preocupação crescente. Podemos começar a ver essa mudança já no Novo Testamento. Os primeiros escritos — Paulo e Marcos — não mencionam o nascimento de Jesus. Os Evangelhos de Mateus e Lucas fornecem relatos bem conhecidos, mas bastante diferentes, do evento – embora nenhum deles especifique uma data. No segundo século d.C., mais detalhes do nascimento e infância de Jesus são relatados em escritos apócrifos, como o Evangelho da Infância de Tomé e o Protoevangelho de Tiago. Esses textos fornecem tudo, desde os nomes dos avós de Jesus até os detalhes de sua educação — mas não a data de seu nascimento.

Por fim, por volta de 200 d.C., um instrutor cristão no Egito faz referência à data de nascimento de Jesus. De acordo com Clemente de Alexandria, vários dias diferentes foram propostos por vários grupos cristãos. Por mais surpreendente que pareça, Clemente não menciona o dia 25 de dezembro. Clemente escreve: “Há aqueles que determinaram não apenas o ano do nascimento de nosso Senhor, mas também o dia; e dizem que aconteceu no ano 28 de Agosto, e no dia 25 do [mês egípcio] Pachon [20 de maio em nosso calendário]… E tratando de Sua Paixão, com grande precisão, alguns dizem que demorou lugar no 16º ano de Tibério, no dia 25 de Phamenoth [21 de março]; e outros no dia 25 de Pharmuthi [21 de abril] e outros dizem que no dia 19 de Pharmuthi [15 de abril] o Salvador sofreu. Além disso, outros dizem que Ele nasceu em 24 ou 25 de Pharmuthi [20 ou 21 de abril].”

Claramente havia uma grande incerteza, mas também um interesse considerável em datar o nascimento de Jesus no final do segundo século. Por volta do século IV, no entanto, encontramos referências a duas datas amplamente reconhecidas — e agora também celebradas — como o aniversário de Jesus: 25 de dezembro no Império Romano ocidental e 6 de janeiro no Oriente (especialmente no Egito e na Ásia Menor). A igreja armênia moderna continua a celebrar o Natal em 6 de janeiro; para a maioria dos cristãos, porém, prevaleceria o dia 25 de dezembro, enquanto o dia 6 de janeiro acabou por ser conhecido como a Festa da Epifania, comemorando a chegada dos magos a Belém . O período intermediário tornou-se a temporada de férias, mais tarde conhecida como os 12 dias do Natal.

A menção mais antiga de 25 de dezembro como o aniversário de Jesus vem de um almanaque romano de meados do século IV que lista as datas de morte de vários bispos e mártires cristãos. A primeira data listada, 25 de dezembro, é marcada: natus Christus in Betleem Judeae: “Cristo nasceu em Belém da Judéia”. Por volta de 400 d.C., Agostinho de Hipona menciona um grupo cristão dissidente local, os donatistas, que aparentemente mantinham as festas natalinas em 25 de dezembro, mas se recusavam a celebrar a Epifania em 6 de janeiro, considerando-a uma inovação. Uma vez que o grupo donatista só surgiu durante a perseguição sob Diocleciano em 312 d.C. e depois permaneceu teimosamente ligado às práticas daquele momento, eles parecem representar uma tradição cristã norte-africana mais antiga.

No Oriente, o dia 6 de janeiro não foi associado apenas aos magos, mas à história do Natal como um todo.

Assim, quase 300 anos após o nascimento de Jesus, finalmente encontramos pessoas observando seu nascimento no meio do inverno. Mas como eles haviam acertado as datas de 25 de dezembro e 6 de janeiro?

Existem duas teorias hoje: uma extremamente popular, a outra menos ouvida fora dos círculos acadêmicos (embora muito mais antiga).

A teoria mais elogiada sobre as origens da(s) data(s) de Natal é que ela foi emprestada de celebrações pagãs. Os romanos tinham seu festival Saturnalia no meio do inverno no final de dezembro; os povos bárbaros do norte e oeste da Europa mantinham feriados em épocas semelhantes. Para completar, em 274 d.C., o imperador romano Aureliano estabeleceu uma festa do nascimento do Sol Invictus (o Sol Invicto), em 25 de dezembro. O Natal, segundo o argumento, é realmente um desdobramento desses festivais solares pagãos. De acordo com essa teoria, os primeiros cristãos escolheram deliberadamente essas datas para encorajar a disseminação do Natal e do cristianismo em todo o mundo romano: se o Natal parecesse um feriado pagão, mais pagãos estariam abertos tanto ao feriado quanto ao Deus cujo nascimento ele celebrava.

Apesar de sua popularidade hoje, esta teoria das origens do Natal tem seus problemas. Em primeiro lugar, não é encontrado em nenhum escrito cristão antigo. Os autores cristãos da época observam uma conexão entre o solstício e o nascimento de Jesus: o pai da igreja, Ambrósio (c. 339–397), por exemplo, descreveu Cristo como o verdadeiro sol, que ofuscava os deuses caídos da velha ordem. Mas os primeiros escritores cristãos nunca sugeriram qualquer engenharia de calendário recente; eles claramente não acham que a data foi escolhida pela igreja. Em vez disso, eles veem a coincidência como um sinal providencial, como uma prova natural de que Deus escolheu Jesus em vez dos falsos deuses pagãos.

A partir do século XII é que encontramos a primeira sugestão de que a celebração do nascimento de Jesus foi deliberadamente marcada na época das festas pagãs. Uma nota marginal em um manuscrito dos escritos do comentarista bíblico siríaco Dionísio bar-Salibi afirma que nos tempos antigos o feriado de Natal foi realmente mudado de 6 de janeiro para 25 de dezembro, de modo que caiu na mesma data do feriado pagão Sol Invictus. Nos séculos XVIII e XIX, estudiosos da Bíblia, estimulados pelo novo estudo das religiões comparadas, aderiram a essa ideia. Eles alegaram que, como os primeiros cristãos não sabiam quando Jesus nasceu, eles simplesmente assimilaram o festival pagão do solstício para seus próprios propósitos, alegando que era a época do nascimento do Messias e celebrando-o de acordo.

Estudos mais recentes [dessa teoria] mostraram que muitos dos ornamentos natalinos modernos refletem os costumes pagãos emprestados muito mais tarde, quando o cristianismo se expandiu para o norte e oeste da Europa. A árvore de Natal, por exemplo, tem sido associada a práticas druídicas medievais tardias. Isso apenas encorajou o público moderno a presumir que a data também deve ser pagã.

No entanto, há problemas com essa teoria popular, como muitos estudiosos reconhecem. Mais significativamente, a primeira menção de uma data para o Natal (200 d.C.) e as primeiras celebrações que conhecemos (250-300 d.C.) ocorrem em um período em que os cristãos não estavam se apropriando pesadamente de tradições pagãs de caráter tão óbvio.

É verdade que a crença e a prática cristãs não foram formadas isoladamente. Muitos elementos primitivos do culto cristão — incluindo refeições eucarísticas, refeições em homenagem aos mártires e muita arte funerária cristã primitiva — teriam sido bastante compreensíveis para os observadores pagãos. No entanto, nos primeiros séculos, a minoria cristã perseguida estava muito preocupada em se distanciar das observâncias religiosas pagãs públicas mais amplas, como sacrifícios, jogos e feriados. Isso ainda era verdade até as violentas perseguições aos cristãos conduzidas pelo imperador romano Diocleciano entre 303 e 312 d.C.

Isso só mudaria depois que Constantino se converteu ao cristianismo. A partir de meados do século IV, encontramos cristãos deliberadamente adaptando e cristianizando festivais pagãos. Um famoso defensor dessa prática foi o Papa Gregório Magno, que, em uma carta escrita em 601 d.C. a um missionário cristão na Grã-Bretanha, recomendou que os templos pagãos locais não fossem destruídos, mas convertidos em igrejas, e que os festivais pagãos fossem celebrados como festas dos mártires cristãos. Neste ponto tardio, o Natal pode muito bem ter adquirido alguns ornamentos pagãos. Mas não temos evidências de cristãos adotando festivais pagãos no terceiro século, quando as datas do Natal foram estabelecidas. Assim, parece improvável que a data tenha sido simplesmente escolhida para corresponder aos festivais solares pagãos.

A festa de 25 de dezembro parece ter existido antes de 312 – antes de Constantino e sua conversão, pelo menos. Como vimos, os cristãos donatistas no norte da África parecem tê-lo conhecido antes dessa época. Além disso, em meados do século IV, os líderes da igreja no Império do Oriente se preocuparam não em introduzir uma celebração do aniversário de Jesus, mas em acrescentar a data de dezembro à tradicional celebração de 6 de janeiro.

Há outra maneira de explicar as origens do Natal em 25 de dezembro: por mais estranho que pareça, a chave para datar o nascimento de Jesus pode estar na data da morte de Jesus na Páscoa. Essa visão foi sugerida pela primeira vez ao mundo moderno pelo estudioso francês Louis Duchesne no início do século 20 e totalmente desenvolvida pelo americano Thomas Talley nos anos mais recentes. Mas eles certamente não foram os primeiros a notar uma conexão entre a data tradicional da morte de Jesus e seu nascimento.

Por volta de 200 d.C., Tertuliano de Cartago relatou o cálculo de que dia 14 do mês de Nisan (o dia da crucificação de acordo com o Evangelho de João ) no ano em que Jesus morreu era equivalente a 25 de março no calendário romano (solar). 25 de março é, obviamente, nove meses antes de 25 de dezembro; mais tarde foi reconhecida como a Festa da Anunciação — a comemoração da concepção de Jesus. Assim, acreditava-se que Jesus havia sido concebido e crucificado no mesmo dia do ano. Exatamente nove meses depois, Jesus nasceu, em 25 de dezembro.

Essa ideia aparece em um tratado cristão anônimo intitulado On Solstícios e Equinócios, que parece vir do norte da África do século IV. O tratado afirma: “Portanto, nosso Senhor foi concebido no dia oito das calendas de abril no mês de março [25 de março], que é o dia da paixão do Senhor e de sua concepção. Pois naquele dia ele foi concebido no mesmo dia em que sofreu“. Com base nisso, o tratado data o nascimento de Jesus no solstício de inverno.

Agostinho também estava familiarizado com essa associação. Em Sobre a Trindade (c. 399–419), ele escreve: “Pois acredita-se que ele [Jesus] tenha sido concebido em 25 de março, dia em que também sofreu; assim o ventre da Virgem, no qual ele foi concebido, onde nenhum dos mortais foi gerado, corresponde à nova sepultura em que ele foi sepultado, onde nenhum homem foi colocado, nem antes dele nem depois. Mas ele nasceu, segundo a tradição, em 25 de dezembro.”

No Oriente, também, as datas da concepção e morte de Jesus foram relacionadas. Mas, em vez de trabalhar a partir do dia 14 de Nisan no calendário hebraico, os orientais usaram o dia 14 do primeiro mês da primavera (Artemisios) em seu calendário grego local – 6 de abril para nós. 6 de abril é, obviamente, exatamente nove meses antes de 6 de janeiro – a data oriental do Natal. No Oriente também temos evidências de que abril foi associado à concepção e crucificação de Jesus. O bispo Epifânio de Salamina escreve que em 6 de abril: “O cordeiro foi encerrado no ventre imaculado da santa virgem, aquele que tirou e tira em sacrifício perpétuo os pecados do mundo”. Ainda hoje, a Igreja Armênia celebra a Anunciação no início de abril (no dia 7, não no dia 6) e o Natal em 6 de janeiro.

Assim, temos cristãos em duas partes do mundo calculando o nascimento de Jesus com base no fato de que sua morte e concepção ocorreram no mesmo dia (25 de março ou 6 de abril) e chegando a dois resultados próximos, mas diferentes (25 de dezembro e 6 de janeiro).

Conectar a concepção e a morte de Jesus dessa maneira certamente parecerá estranho para os leitores modernos, mas reflete os entendimentos antigos e medievais de que toda a salvação está ligada. Uma das expressões mais pungentes dessa crença é encontrada na arte cristã. Em numerosas pinturas da Anunciação do anjo a Maria – o momento da concepção de Jesus – o menino Jesus é mostrado descendo do céu sobre ou com uma pequena cruz; um lembrete visual de que a concepção traz a promessa de salvação por meio da morte de Jesus.

A noção de que a criação e a redenção devem ocorrer na mesma época do ano também se reflete na antiga tradição judaica, registrada no Talmude. O Talmude Babilônico preserva uma disputa entre dois rabinos do início do segundo século que compartilham dessa visão, mas discordam sobre a data: Rabi Eliezer declara: “Em Nisan o mundo foi criado; em Nisan nasceram os Patriarcas; na Páscoa Isaque nasceu … e em Nisan eles [nossos ancestrais] serão redimidos no futuro”. (O outro rabino, Joshua, data esses mesmos eventos no mês seguinte, Tishri.) Assim, as datas do Natal e da Epifania podem muito bem ter resultado da reflexão teológica cristã sobre tais cronologias: Jesus teria sido concebido na mesma data em que morreu e nasceu nove meses depois.

No final, ficamos com uma pergunta: como o 25 de dezembro se tornou o Natal? Não podemos ter certeza absoluta. Elementos do festival que se desenvolveram desde o quarto século até os tempos modernos podem muito bem derivar de tradições pagãs. No entanto, a data real pode realmente derivar mais do judaísmo – da morte de Jesus na Páscoa e da noção rabínica de que grandes coisas podem ser esperadas, repetidas vezes, na mesma época do ano – do que do paganismo. Então, novamente, nesta noção de ciclos e o retorno da redenção de Deus, talvez também possamos estar tocando em algo que os romanos pagãos que celebravam o Sol Invictus , e muitos outros povos desde então, também teriam entendido e reivindicado como seu.

Este artigo foi traduzido do original, em inglês, “How December 25 Became Christmas” do estudioso e erudito Andrew McGowan, que é um grande pensador e a historiador do cristianismo primitivo, além de reitor e Presidente da Berkeley Divinity School e Professor na Yale Divinity School, em Yale. O artigo foi publicado originalmente na Bible Review, em dezembro de 2002. Depois foi republicado no Bible History Daily em dezembro de 2012.

Postagem Anterior Próxima Postagem